Proposta de Raphael Martinelli para fortalecer o transporte ferroviário

Iniciamos com este repasse, a publicação de uma contribuição do nosso grande Irredento Raphael Martinelli.

Como muitos, de adulta militância, sabemos que Martinelli é um Lutador de Toda a Vida, integrando a luta militante com a reflexão de problemas fundamentais para a vida e economia dos trabalhadores como o transporte público de pessoas e cargas. Pedimos a solidária contribuição na divulgação do testemunho do dirigente sindical Martinelli, disponível no livro “Estações de Ferro”, escrito pelo jornalista Roberto Gicello Bastos, além das colaborações do inestimável camarada no Blog Os Irredentos.
Martinelli elaborou há muitos anos uma análise sobre a pertinência (economica, ecológica e trabalhista) do transporte ferroviário. Mas, como o sistema capitalista especulativo continua dominando as relações econômicas do Brasil e quase toda América, a análise continua válida.
*Para aquisição do livro Estações de Ferro, entrar em contato através do número: (11) 954479514.

Um pouco de história do Movimento em favor das Ferrovias e da Nação

 

Em 1993 um trabalho feito pelos ferroviários do Rio Grande do Sul “Transporte Ferroviário, um modal econômico e eficiente”, referente documento teve o aval do Sr. Osiris Stenghel Guimarães presidente da Rede ferroviária federal S/A.

Permita-me transcrever a rápida introdução do coletivo trabalho dos estudos históricos pratico profissional principalmente patriótico, sobre a importância das ferrovias, principalmente consideradas fatores de desenvolvimento geradores de progresso, onde ao longo dos caminhos de ferro iam surgindo as povoações , as quais com o tempo acabaram se transformando  em vias, e mais tarde em cidades.

Com o tempo e de acordo com o desenvolvimento capitalista, onde os países considerados mais atrasados  (no aspecto politico, educativo, principalmente ex- colônias) em querer iniciar sua nação capitalista deixando em parte ser dependente das grandes nações milenares, como líderes do capitalismo explorador das nações-colônias atrasadas.

Países sem qualquer estrutura industrial, dependentes principalmente dos meios de produção da indústria (aço, gás, petróleo…) apesar de a sua maioria ter em seu território onde tirar e quando tirado e assim era feito pelos exploradores das nações capitalistas, exploradores das nações Capitalistas em nível avançado e fornecedores das mercadorias produzidas.

Como exemplo as ferramentas, os aparelhos produzidos (o lubrificante tirado do petróleo, gasolina, óleo diesel, locomotivas, trilhos, vagões etc.).

Vejamos como exemplo entre essas nações atrasadas e dependentes, a nossa pátria Brasil.

Não vamos longe, vou apenas começar quando eu tinha oito anos (1932) e o nosso país era dependente.

Nosso país era conhecido pela dupla política que desde sempre governou o nosso Brasil (Política do café-com-leite) dominado pelo estado de São Paulo e Minas Gerais.

Essa política começou a ser rompida com várias manifestações, regionais, operárias, coletivas e civis militares.

Como por exemplo, 1917. Como protesto ao meio de exploração que vinha sendo aplicada pelos governos submissos as explorações das nações Europeias e Americanas. Onde os trabalhadores não tinham direito nenhum, nem horário de trabalho, nem férias, não tinham aposentadoria, quando doentes eram dispensados.

Crianças eram exploradas, com tanta injustiça e com alguns exemplos positivos de revoltas e greves, com as categorias, Portuários, Estivadores, e Ferroviários,os quais já tinham alguns  direitos como horário de refeição, direito a folga aos domingos.

Suas organizações de assistência mútua (sustentada pelos trabalhadores). Exemplo também como repercussão a tomada do poder pelos trabalhadores Russos, pela organização politica defendida por Karl Marx o que apavorou a maioria dos regimes capitalistas.

Foi a morte dos condes e imperadores e famílias, pelas forças operárias.

Não só a revolta dos trabalhadores em 1917, outras vieram como a do exército em 1922.

Com a liderança do Capitão do exército Luis Carlos Prestes, grupo que durou anos atravessando o território Brasileiro até a Bolívia com o Nome de “A Coluna Prestes” grupo qual patrioticamente já defendia a mudança política do ‘café com leite’ que se colocaram contra o avanço do Brasil Industrial com soluções sociais para o campo e Cidade, chegando ao limite dessa luta com a revolta dos favoráveis a essa mudança com a revolta á área militar e apoio de alguns tenentes e capitães, a revolta contra a posse do governo imposto pela oligarquia Minas-São Paulo, liderada pelo gaúcho Getúlio Vargas, que tomou o poder (1930).

Com Vargas teve o início da Política econômica diversificada, onde modificou para os trabalhadores e seus problemas salariais se resolvia como caso de policia, para entendimento entre patrões e empregados. Foi o inicio dos direitos dos trabalhadores se organizarem em sindicatos. Controlados pelo  governo já em 1932, várias categorias mais bem organizadas já tinham seu sindicato aprovado, por exemplo, Ferroviários, Estivadores, Portuários ,e criação e vários institutos. Caixa de pensões dos Ferroviários que existia desde 1922, foi transformada e reconhecida como instituto de aposentadoria dos Ferroviários; amém das leis que chegavam aos trabalhadores, Vargas politicamente e constitucionalmente autorizou ter deputados operários indicados pelas categorias, das leis que beneficiavam os trabalhadores na sua maioria foi cópia do regime fascista da Itália Presidida pelo Ditador Mussolini, onde surgiu a nossa famosa consolidação das leis trabalhistas, a “CLT”.

Getúlio em curto período de governo (1930- 1937) criando o estado novo com toda a tendência política simpática aos regimes fascistas de Mussolini e nazista de Hitler, os quais iniciaram as guerras em 1939, entrada na Áustria, tomada da Abissínia, Japão contra Coréia, Vietnã e China (1939-1945).

Bem, meu Negócio é Ferrovia…

 

Já em 1993, já vivíamos a grande distorção de matriz de cargas e passageiros, pois enquanto se transportam apenas 22% das cargas gerais e 3% dos passageiros urbanos (Ferroviários) por via ferrovia, nos países desenvolvidos, esses percentuais assumem em média respectivamente 40% e 60% conforme apresentado a seguir:

 Países Desenvolvidos                      

Cargas Gerais:                                           Transportes Urbanos

Ferroviário  40%                                        Ferroviário/Metroviário: 60%

Rodoviário 30%                                          Rodoviário: 30%

Aquário 14%                                               Hidroviário: 5%

Outros 16%                                                 Outros: 5%

 

                   

       Países Subdesenvolvidos

 

Cargas Gerais: (1)Transportes Urbanos: (2)

Ferroviário 38,5%                                               Ferroviário 3%

Rodoviário 42,39%                                              Rodoviário 96%

Aquário 10,90%                                                    Outros 1%

Outros 8,30%

     Brasil (3)

Cargas Gerais:                                                    Transportes Urbanos: (1)

Ferroviário 22,40%                                             Ferroviários 3%

Rodoviário 56,60%                                             Rodoviário 96%

Aquário 4,60%                                                     Outros 1%

Outros: 17,40%

  • Internacional Year Book

  • Jan’es Urban Transport Sistem

  • Anuário Estatístico GEIPOT (1987-1990)

Não industrializados, os governos que de lá pra cá se sucederam optaram como primeiro passo desta caminhada pela instalação da indústria automobilística em nosso meio.

É necessário que se esclareça esta decisão governamental.

Até 1954, os patriotas Brasileiros Nacionalistas, Organizações de esquerda, principalmente o partido comunista do Brasil. O partido comunista Brasileiro participou de uma luta política em favor do “Petróleo é nosso” e conscientes de que o ouro negro em nosso território é cobiçado pelos grupos internacionais.

Tinham aqui no Brasil os seus “lacaios” que se colocavam contra nossa iniciativa patriota pela sua exploração e iniciativa de ter uma organização. (Petrobrás) pura e nacionalista aprovada pela câmara dos deputados e aprovada pelo seu então Presidente Getúlio Vargas.

Quais os países que tinham o interesse que o Brasil não produzisse petróleo?

Em sua maioria, produtores de veículos móveis, automóveis, etc.

Além desse interesse, principalmente os EUA, que produzia esses veículos (FORD, CHEVROLET, GE etc) maior fornecedor de petróleo, óleo diesel, pneus, além de sua luta contra a criação da Petrobrás, com a aquiescência dos “paus mandados” de nosso governo, iniciou-se a luta contra o desenvolvimento das Ferrovias voltando sua influência em nosso governo federal, estadual, principalmente com o apoio das empresas citadas, sempre a favor do desenvolvimento das rodovias em detrimento das ferrovias.

Basta dizer que pela sua posição nacionalista e de patriotas, militares, parlamentares, a favor da criação da Petrobrás, órgão estatal assinado por Getúlio em 1954.

Os grupos ligados ás organizações internacionais favoráveis que a Petrobrás não fosse estatal, tentaram intervir no seu governo para sua queda, o que levou este patriota a sair de seu governo somente morto (passou a sua vida denunciando as forças golpistas).

(continua em próximo repasse)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s